Buscar
  • Instituto de Garantias Penais

IGP na mídia: Garantias fundamentais e processo político

Nosso webinário com a participação do senador e ex-presidente da República Fernando Collor de Mello foi destaque no Metrópoles. Na conversa com os advogados Ticiano Figueiredo, presidente do IGP, e Flávia Guth, diretora do instituto, Collor falou sobre “Garantias fundamentais e processo político”.


Fonte: Metrópoles


Thayná Schuquel


O ex-presidente da República e atual senador Fernando Collor de Mello (Pros-AL)afirmou, nesta quarta-feira (24/06), que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está atrasado em construir uma base no Congresso Nacional. Recentemente, o chefe do Executivo começou a se aproximar do Centrão.


“Logo no começo, ele disse que não queria acordo com partido político. Então, agora ele está chegando meio que atropeladamente nessa tentativa de construir uma base, mas eu não sei ser haverá tempo suficiente e paciência”, declarou Collor.


As declarações foram dadas em videoconferência do Instituto de Garantias Penais (IGP), coordenada pelo presidente do instituto, Ticiano Figueiredo, e mediada pela advogada criminalista e diretora da entidade, Flávia Guth.


O ex-presidente acredita que isso possa atrapalhar a atuação de Bolsonaro e a aprovação de projetos. “Não sei se ele terá condições de construir a tempo essa base de sustentação para lhe dar condições de continuar governando”, avaliou.


Para Collor, o presidente da República tem que fazer política por meio de partidos políticos e políticos. “Não há demérito nisso. É obrigação”, frisou.

Segundo o ex-presidente, além de conquistar a maioria dos parlamentares do Congresso para a aprovação dos projetos, o mandatário do país precisa também de “solidariedade pessoal dos políticos a pessoa do presidente”.

“O presidencialismo de coalizão é a carroça do sistema político brasileiro. Então, esse sistema exige que seja feita uma aliança para que o presidente possa governar. Sem maioria parlamentar, nenhum presidente conclui o seu mandato”, disse Collor.


Foto: Flickr/Senado Federal






7 visualizações0 comentário